Das imperfeições do gênio

“Seria absurdo dizer que a genialidade é infalível, e que só existem verdade perfeitas. Mil retificações podem ser feitas na obra de Ameghino, especialmente em sua hipótese sobre o lugar de origem da espécie humana. Os gênios podem enganar, costumam se enganar, é conveniente que se enganem. Suas criações falsas tornam-se muito úteis pelas correções que provocam, pelas pesquisas que estimulam, pelas paixões que acendem, pela inércia que agitam. Os homens medíocres se enganam de maneira vulgar; o gênio, mesmo quando cai, acende uma faísca, e na fugaz iluminação adivinha-se alguma coisa ou verdade insuspeita. Platão não é menos grandioso por seus erros, nem são menos gênios Shakespeare ou Kant. Nos gênios que se enganam há uma firmeza viril que impõe respeito a todos. Enquanto os contemporâneos ambíguos não despertam uma grande admiração, os homens firmes forçam a homenagem de seus próprios adversários. Há mais valor moral em acreditar firmemente em sua própria ilusão do que em aceitar docilmente uma mentira alheia.”

José Ingenieros em O Homem Medíocre

Anúncios