Euforia perpétua

“Na verdade, muito é permitido. Mas a única forma de domar a “euforia perpétua” passa por entender que a felicidade não é um direito nem um dever; a felicidade é, quando muito, a decorrência contingente de uma ambição mais modesta e que, à falta de melhor palavra, se designa simplesmente por viver.”

João Pereira Coutinho, em texto na Folha

Anúncios