Aquele habilidoso e desconfiado

“Mas aquele habilidoso e desconfiado, que cometeu muitas injustiças e se tem na conta de pessoa cheia de aptidões e sábia, quando convive com os seus pares, revela a sua extrema astúcia, examinando à distância os modelos que existem nele mesmo. Porém, quando se aproxima de homens bons e já mais velhos, parece tolo, desconfiado, fora de propósito e desconhecedor do que seja um carácter são, por não ter em si o modelo respectivo. Mas, como se encontra mais vezes com os maus do que com os bons, parece mais sábio do que ignorante, aos seus olhos e aos dos outros.”

Platão em A República

Amor verdadeiro

“Mas diz-me uma coisa: pode haver relações entre a temperança e o prazer excessivo?
- Como poderia? Se este não excita menos o espírito do que a dor?
- E com as outras virtudes?
- De modo algum.
- Como assim? E com a insolência e a licença?
- Acima de tudo.
- Sabes de alguns prazeres maiores e mais penetrantes que os afrodisíacos?
- Não sei – respondeu ele – nem que sejam de maior fúria.
- Porém o amor verdadeiro, por sua natureza ama com moderação e harmonia a ordem e a beleza?
- Absolutamente – confirmou ele.
- Logo, nada de furioso ou de aparentado com a libertinagem deve aproximar-se do amor verdadeiro.”

Platão em A República

Avesso ardente

Do mesmo modo que te abriste à alegria
abre-te agora ao sofrimento
que é fruto dela
e seu avesso ardente.

Do mesmo modo
que da alegria foste
ao fundo
e te perdeste nela
e te achaste
nessa perda
deixa que a dor se exerça agora
sem mentiras
nem desculpas
e em tua carne vaporize
toda ilusão

que a vida só consome
o que a alimenta.

Ferreira Gullar